Notícias › 17/01/2018

CF 2018: a superação da violência passa pelo desenvolvimento humano

Os caminhos para a superação da violência no Brasil estarão em discussão neste ano por meio da Campanha da Fraternidade. A iniciativa pretende motivar os católicos a recuperar o significado central da fé cristã: o amor.

“O esquecimento do mandamento do amor e da ética gestam e despertam a violência. Os descaminhos, no entanto, podem ser superados com a volta às origens, com a reconciliação e a misericórdia. Somos chamados à superação da violência, pois somos filhos e filhas de Deus”, indica o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner na apresentação do tema no texto-base.

O convite que também é aberto a toda sociedade traz um alerta para o país que está em quinto lugar no ranking da violência contra meninos e meninas entre 10 e 19 anos, segundo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e que detém a primeira posição em número de mortes violentas no mundo, de acordo com estudo da Small Arms Survey.

Diante destas estatísticas e de tantas outras, como prevenir a violência? E como pensar no combate à violência sem falar de desenvolvimento humano.

Nessa tarefa, as ONGs, projetos sociais, instituições e associações filantrópicas são grandes aliados na promoção de um caminho seguro para inúmeras crianças e jovens, que por causa da desigualdade, não encontrariam por si próprios oportunidades para uma vida digna e longe do círculo da violência.

No sul catarinense, o Bairro da Juventude é um desses aliados que oferece por meio de seus diversos programas o que a criança e o jovem mais precisam nessa idade: educação, cultura, esporte e profissionalização, e ainda uma grande dose de amor e solidariedade.

“Nós atendemos crianças de três meses até 18 anos. Parece muito difícil à primeira vista, mas é mais fácil do que depois buscar na rua”, afirma a diretora executiva do Bairro da Juventude Sílvia Regina Luciano Zanette.

O Bairro da Juventude acolhe aproximadamente 1,5 mil crianças e jovens, e acredita que é por meio da transmissão de valores e da partilha de conhecimento, que surgem as condições necessárias para que se estabeleça a responsabilidade, a educação e a igualdade.

“O nosso caminho é envolver, fortificar valores e fazer um trabalho em que a instituição seja bonita e agradável, para que essa criança tenha vontade de vir pra cá, e que ela não venha porque não tem outra alternativa, mas porque aqui ela se entende como pessoa, como cidadã”, frisa a diretora.

A instituição ganhou em dezembro passado o título de campeã nacional na categoria Grande Porte na 12ª edição do Prêmio Itaú-Unicef. A premiação confirma a relevância do trabalho que conta com o apoio dos Padres Rogacionistas.

“Se nós ganhamos esse prêmio significa que estamos trilhando um caminho que oferece a essas crianças e famílias que atendemos a chance de ter uma vida melhor”, celebra a diretora.

A superação da violência pede comprometimento e ações que envolvam tanto a sociedade civil, como os membros da Igreja e os poderes constituídos, para que os direitos humanos e a promoção da cultura da paz sejam assegurados por políticas públicas emancipatórias. 

Durante toda a Quaresma iremos destacar as principais ações e temas da Campanha da Fraternidade 2018. Acompanhe a nossa cobertura na página: a12.com/campanhadafraternidade

Por A12