Notícias › 07/10/2016

Crianças sírias entregarão petição pela paz à UE e à ONU

Uma delegação das Igrejas Católica e Ortodoxa da Síria entregará, na próxima semana, uma petição em favor da paz para este país do Oriente Médio, com cartas e desenhos de crianças, aos responsáveis da União Europeia e das Nações Unidas.

A delegação será encabeçada pelo Patriarca da Igreja greco-católica melquita, Gregorio III, assim como um bispo greco-ortodoxo e um bispo sírio-ortodoxo. Eles viajarão entre os dias 10 e 13 de outubro para Bruxelas e Genebra. De acordo com a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), o objetivo é entregar, em mãos, as cartas e os desenhos das crianças sírias destinadas precisamente aos altos responsáveis da União Europeia e da ONU.

A iniciativa, coordenada pela Fundação AIS, está mobilizando através das estruturas locais da Igreja milhares de crianças sírias. Trata-se de uma resposta concreta à declaração conjunta do Papa Francisco e do Patriarca russo ortodoxo Kirill, quando se encontraram em fevereiro passado, em Havana (Cuba), e declararam o desejo de que os cristãos católicos e ortodoxos falem a uma só voz na defesa dos cristãos perseguidos no mundo e pela paz para a Síria.

Como resposta a este desejo comum, a AIS desenvolveu diferentes iniciativas internacionalmente. Entre as atividades, cita-se a organização de encontros, na Síria e Líbano, em abril passado, de uma importante delegação católica-ortodoxa proveniente da Rússia com representantes de diferentes confissões cristãs locais, com o objetivo de se iniciarem ações conjuntas.

Além disso, no último dia 1º de junho, promoveu a “Jornada Internacional da Infância”, que coincidiu com o Dia Mundial da Criança. Esta foi resultado do esforço de unidade, tendo-se materializado em uma jornada de oração pela paz na Síria.

E, hoje, 7 de outubro – Dia de Nossa Senhora do Rosário – realiza mais um “Dia pela Paz”, congregando crianças sírias, provenientes de diversas confissões cristãs e que em cidades como Damasco, Homs, Aleppo, Yabrud, Marmarita ou Tartus, vão expressar o seu desejo de um país sem guerra através de orações e atividades diversas como a dança ou representações teatrais.

Para o responsável pelos projetos da Fundação ACN no Oriente Médio, Padre Andrzej Halemba, “quanto mais unidos estiverem os cristãos na defesa da paz e no apoio às crianças que sofrem, mais forte será a nossa voz e mais eficazes serão as nossas iniciativas”.

Por Canção Nova, com ACI Digital