Notícias da paróquia › 31/05/2016

Dom Sergio: “Jesus na Eucaristia é sinal e fonte de misericórdia”

13323397_1095674627145266_8912081934467910103_o

Sessenta mil fieis participaram da Festa de Corpus Christi na tarde desta quinta-feira, 26 de maio. A multidão, que veio de diversas paróquias do Distrito Federal, se reuniu na Esplanada dos Ministérios para comemorar a festividade com dom Sergio da Rocha, arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A Festa de Corpus Christi tem origem na Bélgica do século XIII, na diocese de Liège. Santa Juliana Mont Cornillon foi a principal promotora da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus na Igreja.

Após uma visão de uma lua cheia com uma mancha negra – discernida como ausência da solenidade –, Juliana comunicou o acontecido a dom Roberto Thorete, bispo de Liège, que mais tarde se tornaria o Papa Urbano IV. Foi ele quem instituiu, em 1264, a solenidade para toda a Igreja.

A expressão Corpus Christi também veio de Urbano IV. Durante uma Missa presidida pelo padre Pedro Praga na cidade de Bolsena (Itália), a hóstia consagrada começou a pingar gotas de sangue. Sabendo do ocorrido, o Papa pediu que trouxessem a hóstia até a cidade onde ele morava, Orvieto. A hóstia foi levada em procissão pelos fieis e quando o Papa a viu teria dito as palavras Corpus Christi.

Eucaristia, fonte de misericórdia   

Dom Sergio presidiu a solenidade acompanhado pelo núncio apostólico, dom Giovanni d’Anielo, pelo bispo emérito de Floriano (PI), dom Augusto Rocha,  pelos bispos auxiliares, sacerdotes, diáconos e seminaristas da Igreja local.

Se dirigindo aos fieis e autoridades presentes, o arcebispo relacionou a vida eucarística ao Ano da Misericórdia, instituído pelo Papa Francisco.

“A presença de Jesus na Eucaristia é sinal e fonte de Sua misericórdia que somos chamados a experimentar e testemunhar. Quando falta misericórdia, o coração acaba sendo tomado por sentimentos de amargura, ressentimento. Sem misericórdia não podemos caminhar. Não há misericórdia sem vida eucarística”.

“Neste Corpus Christi somos chamados a trilhar um caminho, a dar passos de misericórdia. Aproveite para refletir como você tem vivido esse Ano da Misericórdia. Se você perceber que não tem caminhado como Deus espera, aproveite este tempo de graça para recomeçar”. 

Dom Sergio pediu um redobrado empenho do clero e dos leigos para a vivência eucarística nas comunidades, que desemboca em um desejo maior pela concretização de obras de misericórdia corporais e espirituais.

Um pedido especial do arcebispo foi uma maior divulgação dos horários de confissão. Ele ainda agradeceu ao trabalho da Pastoral da Saúde, que, ao visitar os enfermos e idosos, proporciona um encontro misericordioso entre o visitado e Jesus.

Por fim, o líder da Igreja local exortou à prática da misericórdia em todos os ambientes em que estejamos inseridos. “Que promovamos o perdão. Seja um instrumento de reconciliação e paz no seu trabalho, na sua família, na sua escola, onde estiver. Deus nos ajude a viver sempre da Eucaristia, fonte de misericórdia”.

Procissão na Esplanada

Logo após o término da celebração eucarística, dom Sergio desceu do altar acompanhado do clero. Com Jesus Eucarístico ele passou por cima dos tapetes confeccionados pelos jovens da Arquidiocese. É a 38ª vez que um líder clerical anda sobre o tapete da solenidade com o Ostensório, na Esplanada dos Ministérios. Antes, os tapetes eram produzidos localmente em cada uma das paróquias.

Durante a procissão que acompanhou Jesus Eucarístico, os fieis caminharam com velas acesas pelo primeiro quadrilátero da Esplanada. Neste percurso foram concedidas três bênçãos com o Santíssimo Sacramento: pelos doentes, pelos governantes e pelas famílias. Em cada uma das bênçãos, a procissão teve um momento de parada em que os participantes colocaram as intenções e levantaram as velas em forma de louvor a Deus. (LP)

Confira as fotos da Missa aqui

Fonte e Fotos: Núcleo de Fotografia da Arquidiocese de Brasília