Notícias › 29/11/2018

Menino com autismo interrompe a audiência geral e Papa nos dá um ensinamento

Uma criança com autismo interrompeu a Audiência Geral desta quarta-feira ao escapar de seu assento, aproximou-se do Papa Francisco para tentar abraçá-lo e dar-lhe a oportunidade de enriquecer a sua catequese semanal.

O menino, filho de pais argentinos e identificado pela imprensa como Wenzel Eluney, subiu no local onde o Papa estava e começou a tocar em um dos guardas suíços que estavam acompanhando o Pontífice.

Em seguida, correu em direção ao Papa, apesar dos pedidos da sua mãe tentando levá-lo. “Qual é o teu nome?”, perguntou Francisco ao pequeno de sete anos; entretanto, a mãe disse que o seu filho “não pode falar” e que tem autismo. Então, o Pontífice disse “deixe-o, se quiser brincar aqui, deixe-o”, enquanto a criança continuava correndo.

“É argentino… indisciplinado”, brincou o Pontífice com o Prefeito da Casa Pontifícia, Mons. Georg Gänswein, que estava ao seu lado.

Minutos depois, antes de saudar os peregrinos de língua espanhola, o Santo Padre explicou que Wenzel é uma criança que não consegue falar. “É mudo – afirmou o Papa –, mas sabe se comunicar, sabe se expressar. E tem uma coisa que me fez pensar: é livre, indisciplinadamente livre. Porém livre”.

O Papa assegurou que esse fato o leva pensar e perguntou a si mesmo: “Eu também sou livre diante de Deus?”. “Quando Jesus diz que devemos nos fazer como crianças, nos diz que devemos ter a liberdade que tem uma criança diante de seu Pai… esta criança… peçamos a graça de que possa falar”, convidou.

Em seguida, o Santo Padre recordou que com esta catequese concluiu o itinerário através dos 10 Mandamentos com o que surge, em primeiro lugar, “um sentimento de gratidão a Deus, que nos amou primeiro, e se entregou totalmente sem pedir-nos nada em troca”.

“Esse amor – acrescentou – convida à confiança e à obediência, e nos resgata do engano das idolatrias, do desejo de acumular coisas e de dominar as pessoas, buscando seguranças terrenas que, na verdade, nos deixam vazios, nos escravizam. Deus nos fez seus filhos, colocou em nós um desejo profundo, sendo ele, ele mesmo, o nosso descanso”, destacou.

Do mesmo modo, o Papa Francisco explicou que somente depois de “libertar-nos da escravidão dos desejos mundanos” é possível “reconstruir a nossa relação com as pessoas e com as coisas sendo fiéis, generosos e autênticos”.

Assim, o Santo Padre assegurou que é possível ter “um coração novo, habitado pelo Espírito Santo, que nos é dado através da Sua graça, o dom de um desejo novo que nos impulsiona a uma vida autêntica, adulta e sincera”.

Ao finalizar, o Pontífice disse que graças ao fato de que Cristo “dá cumprimento à lei”, o Decálogo com as suas proibições “não é um titânico esforço para sermos coerentes com uma norma, mas o próprio Espírito de Deus que começa a nos guiar até os seus frutos, em uma feliz sinergia entre a nossa alegria de ser amados e a sua alegria de nos amar”, concluiu.

Via Aci Digital