Palavra do Pastor › 30/07/2017

17º Domingo do Tempo Comum

O tesouro escondido

Concluímos hoje a leitura do capítulo treze do Evangelho segundo Mateus, que narra as parábolas do Reino. A Liturgia nos apresenta mais um conjunto de três parábolas contadas por Jesus: o tesouro escondido, a pérola preciosa e a rede lançada ao mar. Nelas, é ressaltada a atitude a ser cultivada por nós perante o Reino de Deus: a) a alegria e a disposição de desfazer-se de “todos os seus bens” para ficar com o bem maior encontrado; b) a prática da justiça segundo os critérios do Reino.

O Reino de Deus é a pérola preciosa, o verdadeiro tesouro escondido a ser buscado em primeiro lugar, com alegria. Quem o encontra, tem tudo, ainda que não tenha outros bens. Embora revelado em Cristo, o Reino continua um tesouro a ser descoberto, a ser compreendido, acolhido e vivido no mundo de hoje, de tal modo que possamos suplicar ao Pai, de coração sincero e confiante: “venha a nós o vosso Reino!”. Esta parábola nos ajuda a pensar a respeito das nossas escolhas e a buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça.

A parábola da rede lançada ao mar nos mostra a universalidade do Reino, aberto a todos, mas, ao mesmo tempo, baseado na justiça. Todos são chamados ao Reino de Deus; porém, a resposta exige a prática da justiça, da santidade querida por Deus. Os que praticam a maldade e a injustiça não tem lugar nele.

Quem segue a Cristo não pode viver de qualquer jeito, mas “de acordo com o projeto de Deus” (Rm 8,28). A Carta de São Paulo aos Romanos nos recorda o chamado que Deus nos faz a sermos “conformes à imagem de seu Filho” (Rm 8,29), recordando-nos que, por meio dele, Deus “nos tornou justos” (Rm 8,30).

Para tanto, é fundamental não perder a capacidade de discernir o que é justo e agradável a Deus. Conforme a primeira leitura, na sua belíssima oração, o rei Salomão suplica, com humildade, “um coração compreensivo”, “capaz de discernir entre o bem e o mal”. Em resposta, Deus lhe concede a “sabedoria para praticar a justiça” e “um coração sábio e inteligente” (1Rs 3,7-12). Na tradição sapiencial bíblica, as imagens do tesouro e da pérola serviam justamente para designar o valor incomparável da sabedoria que vem de Deus.

Em resposta, nós rezamos o Salmo 118, expressando o nosso amor pela Palavra de Deus e a nossa disposição em “escolher por herança”, isto é, como tesouro, “observar as palavras do Senhor”, a “lei do Senhor”, pois “vale mais do que milhões em ouro e prata”. Procure redescobrir o valor desse tesouro, durante a semana, dedicando-se mais a oração e a meditação da Palavra de Deus e, de modo especial, participando da Eucaristia.

Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *