Palavra do Pastor › 15/10/2017

28º Domingo do Tempo Comum

O Banquete do Reino

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

 

A liturgia da Palavra deste domingo utiliza a imagem do “banquete” para falar do Reino de Deus. O Profeta Isaías (Is 25,6-10a) anuncia o “banquete” que Deus preparou para todos os povos. O Evangelho (Mt 22,1-14) apresenta a parábola contada por Jesus sobre o “banquete” oferecido por ocasião da “festa de casamento”, ressaltando a resposta dos convidados.  O significado desta imagem bíblica já está declarado logo no início do texto proclamado: “o reino dos céus é como…”.  O mistério do Reino é revelado por Jesus através de parábolas, recorrendo, aqui, à imagem bíblica do “banquete”, bastante apreciada pelo povo de Deus, pois expressava o encontro fraterno, o estar juntos em paz, a alegria, a fartura de bens e a partilha. Através do “banquete”, Isaías anuncia que Deus “eliminará a morte”, “enxugará as lágrimas” e “acabará com a desonra”. Contudo, os primeiros a serem convidados para o banquete não deram atenção; ao contrário, maltrataram e mataram os que estavam convidando. Diante disso, o rei mandou buscar a todos os que se encontravam pelos caminhos. É Deus quem prepara o banquete e convida para dele participar, primeiramente, o seu povo eleito, mas também, a todos que se encontram pelos caminhos. Embora todos sejam convidados, para permanecer no banquete, exige-se o “traje de festa”.

O Reino de Deus é dom, pois o “banquete” é iniciativa dele; porém, a resposta ao convite exige postura digna, um modo de viver segundo o Evangelho, representado pela “traje de festa”. A parábola é uma advertência para todos os que aceitaram o convite, aderiram a Jesus e receberam a graça do batismo. No batismo, recebemos a “veste branca” a ser trajada para sempre, num esforço sincero de conversão e santidade. Como viver assim, diante da fragilidade humana e de tantos desafios? Paulo nos dá a resposta, na Carta aos Filipenses, hoje meditada: “Tudo posso naquele que me dá força”, ao mesmo tempo em que reconhecia, com gratidão, a solidariedade da comunidade de Filipos para com ele, que se encontrava na prisão por causa do Evangelho. Portanto, são muito necessários: a graça de Deus, o empenho de cada um e a ajuda fraterna.

Louvemos a Deus pela canonização dos Mártires do Rio Grande do Norte, neste domingo, na Basílica de S. Pedro. Os padres André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, o leigo Mateus Moreira e seus 27 companheiros foram martirizados, durante a missa, em Cunhaú e Uruaçu, no interior do Rio Grande do Norte, em 1645. Nós bendizemos a Deus por esses Santos Mártires brasileiros, suplicando a sua intercessão e procurando seguir os exemplos que eles nos deixaram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *