Palavra do Pastor › 03/02/2017

5º Domingo do Tempo Comum

Sejamos Sal e Luz!

05/02/2017

Jesus recorre às sugestivas imagens do sal e da luz, para falar da presença dos seus discípulos no mundo. As pessoas que escutavam a Jesus sabiam bem da importância do sal, apreciado por dar sabor e preservar os alimentos, e da luz, por iluminar a casa ou o caminho, em meio à noite; ou por aquecer no frio. A presença do sal nos alimentos ou da luz na escuridão é facilmente percebida; porém, não de modo ostensivo. O sal não se mostra como tal nos alimentos, sendo sentido apenas o seu sabor. A luz se espalha pelos ambientes. A presença discreta, mas facilmente perceptível, do sal e da luz expressa bem como o cristão deve agir no mundo: com vigor e humildade, com o testemunho corajoso e a simplicidade.

O testemunho de São Paulo, recordado na segunda leitura, é um precioso exemplo disso, ao afirmar que o anúncio do Evangelho não depende da “linguagem elevada ou do prestígio da sabedoria humana” (1Cor 2,1). A força e a sabedoria de Deus são manifestadas muitas vezes na pequenez e na fragilidade dos discípulos de Cristo, como “demonstração do poder do Espírito”. Não é por si mesmos, mas pela graça de Deus, que os discípulos se tornam “sal da terra” e “luz do mundo”. Eles recebem de Deus o sabor que dá sentido à vida e a luz para iluminar o mundo, isto é, eles somente podem ser luz se forem iluminados; apenas podem dar sabor, se o receberem de Cristo. Esta perspectiva se expressa também nas palavras conclusivas do Evangelho proclamado: “para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5,16). O testemunho cristão deve levar as pessoas a glorificar a Deus, ao invés de ser motivo de vaidade. O profeta Isaías anuncia as condições para que a “luz” possa brilhar “como a aurora” ou como “o meio dia”: a vivência da caridade e da misericórdia para com os famintos, os pobres e os peregrinos; a superação da violência e da maldade.

Neste domingo, na Arquidiocese de Brasília, estamos tendo a grande alegria de acolher a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, na Catedral Metropolitana. A visita faz parte das atividades deste Ano Nacional Mariano, em comemoração aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora nas águas do Rio Paraíba do Sul, em 1717, na localidade onde se encontra hoje o Santuário Nacional de Aparecida. A imagem peregrina irá percorrer as Paróquias dedicadas à Padroeira na Arquidiocese de Brasília, até o próximo dia 19 de fevereiro. Procure participar! Assim como ocorreu com Isabel, ao receber Maria, possamos acolher a visita da imagem de nossa Mãe e Padroeira, com louvor e alegria, acolhendo a Jesus, “bendito fruto do seu ventre”. Com sua intercessão materna e seu exemplo, possamos ser “sal” e “luz”!

Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *