Palavra do Pastor › 17/02/2019

6º Domingo do Tempo Comum – 17/02/2019

É feliz quem confia no Senhor!

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

A Palavra de Deus nos apresenta dois estilos diferentes de vida, duas maneiras diferentes de pensar e viver. Na primeira leitura, o profeta Jeremias distingue os que colocam a sua confiança no homem e os que colocam a confiança em Deus. Para tanto, ele recorre a duas imagens muito significativas: as plantas sem vida, no deserto, e a “árvore plantada junto às águas”, que mantém-se verde em tempo de seca. Na mesma perspectiva, coloca-se o Salmo responsorial.

A passagem das bem aventuranças narrada por S. Lucas expressa também dois estilos de vida e duas lógicas opostas. São felizes, bem-aventurados, os pobres, os que passam fome, os que choram e os que são perseguidos por causa de Jesus. Deles é o Reino de Deus! É importante recordar a narrativa de S. Lucas proclamada no 3º Domingo deste Tempo Comum, apresentando a missão de Jesus, na sinagoga de Nazaré.  Ungido pelo Espírito, ele vem para anunciar a boa nova aos pobres, a liberdade aos oprimidos, a visão aos cegos e o ano da graça para todos (Lc 4, 14-21). É bem-aventurado quem aceita o Reino de Deus proclamado por Jesus Cristo e o reconhece como Messias. É feliz quem ouve Jesus e o segue, numa vida nova, segundo os critérios do Reino. Infelizes são aqueles que seguem outro modo de pensar e de viver, rejeitando a boa nova do Reino anunciada por Jesus, ao preferir o gozo das riquezas e da fartura, os elogios e a alegria mundana, indiferentes aos que sofrem com a pobreza e aflições.

Diante da Palavra de Deus, necessitamos fazer escolhas coerentes com a fé que professamos e celebramos. Ser feliz, ser bem-aventurado é um dom que nos é oferecido por Cristo e que exige a nossa resposta, o nosso “sim”, bem como os esforços necessários para caminhar na nova vida.

São Paulo apresenta a o sentido pleno da nossa vida e da nossa fé na ressurreição de Jesus. A nossa vitória sobre a morte é consequência da vitória de Cristo ressuscitado. Ele adverte para os que vivem somente “para esta vida” (1 Cor 15,19), esquecendo-se da vida futura de ressuscitados. Não podemos viver neste mundo como se aqui fosse a nossa morada definitiva, apegados a bens passageiros. Devemos viver o momento presente, com responsabilidade, construindo o mundo segundo os critérios do Reino de Deus, mas sabendo que a nossa esperança não se esgota na vida presente.

Diante da riqueza inesgotável da Palavra de Deus proclamada, por ela iluminados e animados, nós proclamamos que é “feliz o homem quem a Deus se confia” e “encontra a seu prazer na lei de Deus” (Salmo 1).