Palavra do Pastor › 24/02/2019

7º Domingo do Tempo Comum – 24/02/2019

Misericordiosos como o Pai

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

“Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”, lema do Jubileu da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco e concluído em 2016, continua a ecoar na vida da Igreja, especialmente na liturgia de hoje.

O Antigo Testamento já conhecia a exigência do amor ao próximo. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo!”, afirmava o Levítico (Lv 19,18). Na primeira leitura, com o Primeiro Livro de Samuel, recordamos o exemplo de Davi, que tendo ocasião de eliminar o inimigo que o perseguia, preserva-lhe a vida, rejeitando recorrer à violência. Contudo, Jesus vai muito além da compreensão que se tinha do amor ao próximo, incluindo o amor até ao inimigo. No Evangelho (Lc 6,27-38), Jesus nos mostra como amar o próximo, ampliando e tornando mais exigente o que até então se afirmava na Lei. O que diferencia a atitude dos seus discípulos da conduta dos que não o seguem?

Os discípulos de Jesus não devem amar apenas aqueles que os amam ou saudar apenas os próprios irmãos. Para amar como Jesus ama e como ele ensinou a amar, é preciso incluir no mandamento do amor ao próximo o que ele hoje nos diz: “amai os vossos inimigos”, amar não somente aqueles que nos amam, indicando-nos as atitudes a serem cultivadas diante deles: fazer o bem, rezar, não recorrer à violência, à vingança, não condenar, perdoar. Felizes aqueles que acreditam nesta Palavra de Jesus e se esforçam para vivê-la. Felizes são os misericordiosos, como o Pai celeste.

O “homem natural” ou “terrestre”, o velho homem, ao qual se refere São Paulo, recorrendo à figura de Adão, é chamado a uma vida inteiramente nova, a ser um novo homem, o “homem espiritual” ou “celeste”, à imagem de Cristo, graças à sua ressurreição (1Cor 15,45-49). A vivência e o testemunho do amor ao próximo, como Jesus nos ensinou, caracterizam a vida nova e o homem novo.

O Salmo que hoje rezamos também nos leva a voltar os olhos para o Pai misericordioso, proclamando que “o Senhor é bondoso e compassivo”. Podemos viver no amor misericordioso, graças à misericórdia do Pai, cujo amor é sem limites. Com o Salmo 102, nós louvamos a Deus reconhecendo que ele perdoa as nossas culpas, “cerca de carinho e compaixão”, “é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo”. Podemos amar até o inimigo, porque Deus nos ama e sustenta o nosso amor.