Notícias › 09/02/2017

“Não tomo tranquilizantes”, diz Papa em entrevista

“Não, eu não tomo comprimidos tranquilizantes! Os italianos dão um bom conselho: para viver em paz é necessária uma saudável indiferença. Em Buenos Aires eu era mais ansioso, admito”. Foi o que disse o Papa Francisco em uma entrevista a “Civiltà Cattolica”, da qual foram antecipadas algumas passagens pelo jornal italiano ‘Corriere della Sera’.

O Pontífice, entrevistado pelo Diretor da revista, Padre Antonio Spadaro, que comemora nesta quinta-feira, 9, a edição de número 4.000, diz que desde que foi eleito teve “uma experiência muito especial de profunda paz. E não me deixa mais. Eu vivo em paz. Eu não sei explicar”.

Há corrupção no Vaticano

E depois: “nas Congregações Gerais se falava dos problemas do Vaticano, se falava de reformas. Todo mundo queria. Há corrupção no Vaticano. Mas eu estou em paz. Se há um problema, eu escrevo um bilhete para São José e o coloco sob uma estátua que eu tenho no meu quarto. É a estátua de São José que dorme. E agora ele dorme sob um colchão de bilhetes! Por isso, eu durmo bem: é uma graça de Deus. Durmo sempre seis horas. E rezo”.

Nossa Senhora não é um Correio

Falando sobre Nossa Senhora disse: “Não, Nossa Senhora não é um Correio que todos os dias envia uma carta diferente, dizendo: ‘Meus filhos, façam isso e, em seguida, no dia seguinte diz falam isso aqui’. Não, não é isso. A verdadeira Nossa Senhora é aquela que gera Jesus em nossos corações, e que é Mãe. Esta moda de Nossa Senhora Superstar, como uma protagonista que se coloca no centro, não “Católica”. Certamente uma referência a tantas notícias de aparições de Nossa Senhora.

JMJ no Panamá

Na entrevista o Papa fala da JMJ no Panamá. “Os temas marianos para as próximas três Jornadas Mundiais não fui eu quem os escolhi! Da América Latina eles pediram este: uma presença mariana. É verdade que a América Latina é muito mariana, e me pareceu uma coisa muito boa. Eu não tive outras propostas, e fiquei contente com esse pedido’. Mas a verdadeira Nossa Senhora!”.

“O Senhor quer tanto que os religiosos sejam pobres”

Falando dos religiosos Francisco disse: “O Senhor quer tanto que os religiosos sejam pobres. Quando eles não são, o Senhor envia um ecônomo que leva o Instituto a falência!”. “Às vezes Congregações Religiosas são acompanhadas por um administrador considerado “amigo” que depois lhes faz falir. No entanto, o critério fundamental para um ecônomo é de não ser pessoalmente ligado ao dinheiro”.

Abusos sexuais

Outro tema relevante na entrevista é o dos abusos sexuais. “Parece que de 4 pessoas que abusam, 2 foram abusadas. Se semeia o abuso no futuro: é devastador”, disse o Papa Francisco.

“Se estão envolvidos sacerdotes ou religiosos, é claro que está em ação a presença do diabo que arruína o trabalho de Jesus através daquele que devia anunciar Jesus. Mas vamos ser claro: isto é uma doença. Se não estamos convencidos de que esta é uma doença, não poderemos resolver  bem o problema. Portanto, atenção ao receber em formação candidatos à vida religiosa sem ter conhecimento da sua adequada maturidade afetiva.  Por exemplo: jamais receber na vida religiosa ou em uma diocese candidatos que tenham sido rejeitados por outro seminário ou outro Instituto sem pedir informações muito claras e detalhadas sobre a motivação da rejeição”.

Por Rádio Vaticano