Notícias › 01/06/2017

Papa Francisco explica as 3 dimensões que caracterizam a vida de São Paulo

Na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta, o Papa Francisco explicou as três dimensões que caracterizam a vida de São Paulo: “Pregação, perseguição e oração”.

Em sua missão evangelizadora, São Paulo mostrou três atitudes, assinalou o Santo Padre: “O zelo apostólico para anunciar Jesus Cristo, a resistência – resistir às perseguições e à oração para encontrar-se com o Senhor e deixar-se encontrar pelo Senhor”.

“A vida do apóstolo Paulo é uma vida sempre em movimento. Difícil imaginar Paulo tomando sol na praia, repousando”, observou o Pontífice.

1. Pregação

A primeira atitude que podemos observar em Paulo é “a pregação, o anúncio”. Paulo, explicou o Papa, “vai de um lado para outro para anunciar Cristo. Quando chamado a pregar e a anunciar Jesus Cristo, é uma paixão sua!”.

São Paulo “não fica sentado diante de uma escrivaninha, não. Ele sempre, sempre está em movimento. Sempre levando adiante o anúncio de Jesus Cristo. Tinha dentro de si um fogo, um zelo… um zelo apostólico que o impelia. Não voltava para trás. Sempre para frente”.

2. Perseguições

A segunda dimensão da vida de Paulo são as “dificuldades. Mais claramente as perseguições”.

Francisco deu um exemplo de como o apóstolo enfrentava essas dificuldades. Em um determinado momento, fariseus e saduceus se uniram para acusar São Paulo. Mas, em seguida, “o Espírito deu a Paulo um pouco de esperteza”.

Paulo “sabia que aqueles que o acusavam não estavam unidos, que entre eles existiam muitas lutas internas. Sabia que os saduceus não acreditavam na Ressurreição e que os fariseus acreditavam. Então, para sair daquele momento, disse em alta voz: ‘Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos’”.

“Quando disse isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus, pois os saduceus não acreditavam. E eles que pareciam unidos, se dividiram”.

O problema com estes fariseus e saduceus, indicou Francisco, é que “haviam transformado a doutrina em ideologia. Essas pessoas tinham perdido a Lei, tinham perdido a doutrina, tinham perdido a fé, pois a transformaram em ideologia”.

3. Oração

A terceira dimensão da pregação de São Paulo, segundo o Bispo de Roma, é “a oração. Paulo tinha essa intimidade com o Senhor”.

“Uma vez– destacou o Papa – ele diz que é levado quase até ao sétimo céu, na oração, e não sabia como dizer as coisas bonitas que tinha ouvido lá. Mas este lutador, este anunciador sem limite de horizonte, sempre mais, tinha aquela dimensão mística do encontro com Jesus”.

“A força de Paulo era este encontro com o Senhor, que ele fazia na oração, como foi o primeiro encontro no caminho para Damasco, quando ele ia para perseguir os cristãos. Paulo é o homem que encontrou o Senhor, e não se esquece disso, e se deixa encontrar pelo Senhor e busca o Senhor para encontrá-lo. Homem de oração”, concluiu Francisco.

Leitura comentada pelo Papa Francisco:

At 22,30;23,6-11

Naqueles dias, 30querendo saber com certeza por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus, o tribuno soltou-o e mandou reunir os chefes dos sacerdotes e todo o conselho dos anciãos. Depois fez trazer Paulo e colocou-o diante deles.

23,6Sabendo que uma parte dos presentes eram saduceus e a outra parte eram fariseus, Paulo exclamou no conselho dos anciãos: “Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos”. 7Apenas falou isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus, e a assembleia se dividiu.

8Com efeito, os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito, enquanto os fariseus sustentam uma coisa e outra. 9Houve, então, uma enorme gritaria. Alguns doutores da Lei, do partido dos fariseus, levantaram-se e começaram a protestar, dizendo: “Não encontramos nenhum mal neste homem. E se um espírito ou anjo tivesse falado com ele?”

10E o conflito crescia cada vez mais. Receando que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante ordenou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles, levando-o de novo para o quartel. 11Na noite seguinte, o Senhor aproximou-se de Paulo e lhe disse: “Tem confiança. Assim como tu deste testemunho de mim em Jerusalém, é preciso que tu sejas também minha testemunha em Roma”.

Por ACI Digital