Notícias › 14/10/2016

Papa visita crianças acolhidas em centro social em Roma

Em mais uma iniciativa da “Sexta da Misericórdia”, o Papa Francisco visitou hoje uma casa familiar em Roma que acolhe crianças sob recomendação do Serviço Social e do Tribunal, em condições de dificuldade pessoal, familiar e social.

O “Villaggio SOS” ou Aldeia SOS, em tradução livre para o português, é composto por cinco casas, sendo que cada uma delas acolhe no máximo seis meninos e meninas até 12 anos de idade, junto com um responsável, a “Mãe SOS”. O local é estruturado de forma a conseguir acompanhar as crianças durante o crescimento, acompanhando-os como uma verdadeira família nos vários estágios de crescimento e de integração na sociedade.

Os profissionais que trabalham no centro, residentes, não residentes ou voluntários, acompanham as crianças por um período de diversos anos, contribuindo para criar relações humanas estáveis, que as ajudam a alcançar uma adequada autonomia. Também ficam na casa crianças maiores, que escolheram estar próximas ao centro para continuar tendo um apoio e um ponto de referência, além de ajudar nas atividades cotidianas.

O modelo pedagógico e organizacional retoma aquele da primeira casa desse tipo, fundada na Áustria em 1949. Paolo e Maria, que dirigem a casa de Roma, tiveram a oportunidade de contar ao Papa Francisco a história de Hermann Gmeiner, um jovem estudante de medicina austríaco que, profundamente atingido pela situação de centenas de crianças que ficaram sem os próprios pais por causa de devastações da guerra, abriu na Áustria a primeira Aldeia SOS. Assim, desenvolveu um modelo educativo próximo ao calor de uma família verdadeira, em forte contraposição ao modelo do orfanato.

As crianças, acompanhadas pelo pessoal do Centro, mostraram ao Papa a área verde da casa, que inclui um pequeno campo de futebol e um pequeno parque infantil. As crianças também mostraram seus quartos e brinquedos a Francisco, que as escutou e fez com elas um pequeno lanche.

Por Canção Nova, com Boletim da Santa Sé