Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

CNBB apoia petição por garantia de busca por crianças desaparecidas

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, comunicou, na terça-feira, 23 de maio, o apoio da Conferência à petição por garantia de busca por crianças desaparecidas organizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para garantir a atualização do cadastro nacional de Crianças e Adolescentes Desparecidos.

O CFM, com apoio dos Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) desenvolve, desde 2011, campanha de prevenção ao desaparecimento de crianças e adolescentes. Segundo carta endereçada à CNBB, entre as ações do CFM “está a divulgação, junto aos médicos, de recomendações para o reconhecimento de pessoas desaparecidas, uma vez que muitas delas em algum momento passam por consultórios”.

No Brasil, são registrados, em média, 50 mil casos de desaparecimento de crianças e adolescentes por ano, segundo o CFM. “Há um percentual expressivo de crianças e adolescentes que não é encontrado”, assegura a carta. E continua: “indícios sugerem que esses meninos e meninas se tornam vítimas do trabalho escravo, da exploração sexual, do tráfico de órgãos e das adoções ilegais, entre outras formas de violação dos direitos e da degradação do respeito à dignidade humana”.

O Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Desparecidos foi implantado em 2010 pelo Ministério da Justiça. Na avaliação da CFM, esse cadastro “é falho e não vem contribuindo para a busca desses menores”. A situação atual é preocupante: “não há registro de nem 1% do total dos desparecidos anualmente, o que dificulta sua localização”, denuncia o CFM que também sugere que “a proposta também peca ao transferir a responsabilidade da inclusão no cadastro para os pais e os parentes das vítimas”.

Por causa dessa situação e para marcar a celebração do Dia Internacional das Crianças Desaparecidas hoje, 25 de maio, o CFM procurou várias instituições, entre elas a CNBB, para apoiar na divulgação de um abaixo-assinado com a petição.

Você pode fazer a sua adesão a esta petição no seguinte endereço: ASSINE A PETIÇÃO AQUI

Por CNBB

2017-05-25T07:49:51-03:0025/05/2017|
Abrir chat
Powered by