catedral-logo

3º Domingo da Quaresma-Palavra de vida eterna!

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

A Palavra de Deus orienta a nossa vivência da Quaresma, que deve ser um tempo de conversão, através da oração, da penitência e da caridade. O Evangelho proclamado (Jo 2,13-25) nos mostra o “zelo pela casa do Senhor”, demonstrado por Jesus, ao expulsar do templo de Jerusalém os vendedores e os cambistas que lá estavam transformando-o em “uma casa de comércio” (Jo 2,16). Jesus restaura, assim, o verdadeiro sentido do templo. Os templos de hoje também devem ser espaços privilegiados de encontro pessoal e comunitário com Deus, por meio da oração e das celebrações litúrgicas. O Evangelho se refere ainda à morte e ressurreição de Jesus que é um tema de especial importância neste tempo quaresmal. Diante do pedido de um sinal, Jesus fala da sua ressurreição. O próprio texto joanino esclarece que Jesus, ao falar em destruir e reconstruir o templo em três dias, “estava falando do templo do seu corpo” (Jo 2,20), acrescentando que mais tarde, os discípulos se lembraram disso e acreditaram na Palavra dele (Jo 2,22). O corpo ressuscitado de Jesus é o novo templo. A resposta ao “sinal” pedido pelo povo é a própria ressurreição de Jesus, que supera o sinal representado pelo majestoso templo de Jerusalém.

Neste 3º Domingo da Quaresma, nós rezamos o Salmo 18, reconhecendo que o Senhor tem “palavras de vida eterna”. Tais “palavras” se encontram resumidas no Decálogo, recordado na primeira leitura. Os Dez Mandamentos se situam no contexto do Êxodo e encontram a sua plenitude em Jesus Cristo.  Antes de começar a pronunciar os mandamentos, Deus afirma: “Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou do Egito, da casa da escravidão” (Ex. 20,2). Estas primeiras palavras são fundamentais para se compreender o que vem depois, pois pressupõem a experiência do Êxodo. A fé no verdadeiro Deus é a base do Decálogo, fundamentando uma nova vida, ao contrário da opressão sofrida no Egito, baseada nos ídolos. Os Mandamentos devem ser compreendidos como fonte de vida e de verdadeira liberdade e não como um peso a ser suportado. O Povo de Deus encontra neles “palavras de vida eterna”, critérios norteadores para o seu agir pessoal, familiar, comunitário e social.

Seja o tempo da Quaresma, ocasião especial para vivência da Palavra do Senhor, no interior dos templos e fora deles. Procuremos dar testemunho da fé através do amor fraterno, anunciando com palavras e com a vida que “somos todos irmãos”, conforme o lema da Campanha da Fraternidade. A superação da violência pela via da fraternidade é sinal da conversão e consequência da oração e da penitência que devem marcar a nossa vivência quaresmal.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat