catedral-logo

7º Domingo do Tempo Comum – 24/02/2019

Misericordiosos como o Pai

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

“Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”, lema do Jubileu da Misericórdia, proclamado pelo Papa Francisco e concluído em 2016, continua a ecoar na vida da Igreja, especialmente na liturgia de hoje.

O Antigo Testamento já conhecia a exigência do amor ao próximo. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo!”, afirmava o Levítico (Lv 19,18). Na primeira leitura, com o Primeiro Livro de Samuel, recordamos o exemplo de Davi, que tendo ocasião de eliminar o inimigo que o perseguia, preserva-lhe a vida, rejeitando recorrer à violência. Contudo, Jesus vai muito além da compreensão que se tinha do amor ao próximo, incluindo o amor até ao inimigo. No Evangelho (Lc 6,27-38), Jesus nos mostra como amar o próximo, ampliando e tornando mais exigente o que até então se afirmava na Lei. O que diferencia a atitude dos seus discípulos da conduta dos que não o seguem?

Os discípulos de Jesus não devem amar apenas aqueles que os amam ou saudar apenas os próprios irmãos. Para amar como Jesus ama e como ele ensinou a amar, é preciso incluir no mandamento do amor ao próximo o que ele hoje nos diz: “amai os vossos inimigos”, amar não somente aqueles que nos amam, indicando-nos as atitudes a serem cultivadas diante deles: fazer o bem, rezar, não recorrer à violência, à vingança, não condenar, perdoar. Felizes aqueles que acreditam nesta Palavra de Jesus e se esforçam para vivê-la. Felizes são os misericordiosos, como o Pai celeste.

O “homem natural” ou “terrestre”, o velho homem, ao qual se refere São Paulo, recorrendo à figura de Adão, é chamado a uma vida inteiramente nova, a ser um novo homem, o “homem espiritual” ou “celeste”, à imagem de Cristo, graças à sua ressurreição (1Cor 15,45-49). A vivência e o testemunho do amor ao próximo, como Jesus nos ensinou, caracterizam a vida nova e o homem novo.

O Salmo que hoje rezamos também nos leva a voltar os olhos para o Pai misericordioso, proclamando que “o Senhor é bondoso e compassivo”. Podemos viver no amor misericordioso, graças à misericórdia do Pai, cujo amor é sem limites. Com o Salmo 102, nós louvamos a Deus reconhecendo que ele perdoa as nossas culpas, “cerca de carinho e compaixão”, “é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo”. Podemos amar até o inimigo, porque Deus nos ama e sustenta o nosso amor.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat