catedral-logo

Batismo do Senhor – 13/01/2019

Batismo do Senhor

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Estamos concluindo, neste domingo, o Tempo do Natal, com a celebração da Festa do Batismo do Senhor. Expressemos nosso louvor a Deus pelo Batismo de Jesus e, de modo especial, pela graça do batismo que cada um de nós recebeu. Nesta ocasião, procuremos renovar a vida batismal, crescendo na fé em Cristo, na participação na Igreja e no testemunho cristão. Valorizar o Batismo implica também em ajudar os que não são batizados a acolherem a graça do Batismo, bem como motivar os pais a batizarem seus filhos. É necessário dar maior atenção aos que receberam o batismo, mas não seguem a Cristo, nem participam da vida da Igreja. Torna-se cada vez mais importante, em nossos dias, testemunhar a beleza e o vigor da fé, com simplicidade e coragem.

O Evangelho segundo São Lucas (Lc 3,15-22) narra o fato que motiva esta festa litúrgica. Na narrativa, destaca-se, primeiramente, o testemunho de João. Diante daqueles que pensavam ser ele o Messias, João reconhece humildemente a grandeza do Messias e anuncia um novo e definitivo Batismo.

No episódio do Batismo do Senhor, revela-se a identidade de Jesus como Filho de Deus Salvador, o Messias-Servo. A manifestação do Espírito e a voz do Pai dão um testemunho imensamente maior do que aquele de João Batista. Em Jesus Cristo, se cumpre plenamente a profecia de Isaías sobre o “Servo” eleito e amado por Deus, no qual repousa o Espírito. Meditamos, hoje, o primeiro dentre os quatro cânticos de Isaías a respeito do Servo de Javé e de sua missão. O que Isaías anuncia, aplica-se a Jesus, segundo o relato do Evangelho: “Eis o meu servo – eu o recebo; eis o meu eleito – nele se compraz minha alma; pus meu espírito sobre ele” (Is 42,1).

No nosso Batismo, o amor do Pai também se faz sentir, acolhendo a cada um de nós como seu “filho amado”. O Batismo cristão é oferecido a todos e não apenas ao povo da Antiga Aliança. O apóstolo Pedro reconhece que “Deus não faz distinção entre as pessoas” (At 10,34). Assim como Jesus, nós chamamos a Deus de Pai, pela graça do batismo. Ao mesmo tempo, os que clamam a Deus como Pai querido, são chamados a reconhecer e a tratar a todos como irmãos.

Recentemente, ao celebrar a solenidade da Epifania do Senhor, nós pudemos meditar sobre a universalidade da salvação oferecida a todos, em Jesus nascido em Belém. Os discípulos de Cristo devem testemunhar o amor de Deus a todos, especialmente, aos mais sofredores, a exemplo de Jesus de Nazaré, cuja missão encontra-se assim resumida pelo apóstolo Pedro: “Ele andou por toda a parte, fazendo o bem” (At 10,38).

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat