catedral-logo

II Domingo da Páscoa – Tempo de Misericórdia

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

“Dai graças ao Senhor porque ele é bom! Eterna é a sua misericórdia” (Sl 117). Nós continuamos a celebrar e a viver a Páscoa até Pentecostes, celebrando hoje o “Domingo da Divina Misericórdia”, estabelecido por S. João Paulo II. O Evangelho segundo João (Jo 20,19-31) narra o primeiro encontro de Jesus com os seus discípulos, após ter sido traído e abandonado na hora da cruz. Naquele encontro, a divina misericórdia se manifestou de modo especial. Ao invés de cobrar explicações ou de condená-los, ele deseja-lhes a paz e oferece o dom do Espírito, juntamente com a missão de perdoar.

Neste Tempo Pascal, somos convidados a confiar na misericórdia divina, a acolher a paz e o perdão que Jesus nos oferece, sendo misericordiosos. Vivemos numa época de muita violência. A Páscoa seja para nós tempo de misericórdia e de paz! Quem celebra a Páscoa não pode ter atitudes agressivas, nem favorecer a violência. Quem celebra a Páscoa crê na vitória do amor sobre o ódio, da misericórdia sobre a vingança, da paz sobre a violência, do perdão sobre o ressentimento e da vida sobre a morte. Nós cremos no poder da divina misericórdia! Por isso, somos chamados a manifestar ao mundo o rosto misericordioso de Deus.

Para viver em família e em comunidade, necessitamos muito da misericórdia divina e também da misericórdia entre nós, que se expressa no perdão e na compaixão. As mãos que se elevam para o Pai suplicando misericórdia são as mãos que se estendem aos irmãos para desejar o perdão e a paz. Os braços misericordiosos de Cristo abraçam e erguem os caídos através dos braços de quem se faz próximo dos que mais sofrem. Quem crê na misericórdia divina jamais desanima. Dispõe-se sempre a caminhar. Levanta-se das quedas, com os braços do Pai misericordioso; levanta-s e caminha com os braços da Igreja, mãe misericordiosa.

Contudo, a acolhida da misericórdia divina pressupõe a fé. Para poder testemunhar a misericórdia, é preciso repetir, a cada dia, “meu Senhor e meu Deus!” A passagem a respeito de Tomé nos mostra a importância da fé alimentada pela comunidade. A Igreja, testemunha permanente da Ressurreição, continua a ser o espaço privilegiado do encontro com o Ressuscitado. Na comunidade reunida em oração, nós temos proclamado muitas vezes: “Ele está no meio de nós!” Os Atos dos Apóstolos (At 4,32-35), na Primeira Leitura, nos recorda como devemos viver em comunidade, destacando a unidade, a partilha e o testemunho da ressurreição.

Pedimos, encarecidamente, as orações de todos pela Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, que será realizada em Aparecida – SP, nos dias 11 a 20 de abril, tendo como tema central as “Diretrizes para a Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat