catedral-logo

Jesus ensina seus discípulos

O trecho do Evangelho proclamado nos apresenta uma série de ensinamentos de Jesus, com várias exigências para a vida dos seus discípulos. O episódio relatado se passa em Cafarnaum (cf. Mc 9,33), com Jesus rodeado dos discípulos, prestes a iniciar a sua grande viagem para Jerusalém, onde sofrerá a Paixão.

Como comportar-se diante de quem faz o bem, mas não está no grupo dos discípulos? A resposta a esta questão está na “primeira” palavra de Jesus (Mc 9,39s). A expressão “ele não nos segue” (Mc 9,38), descrevendo a reação de João, poderia também ser traduzida por “ele não é dos nossos”. João denota ciúmes e fechamento, ao querer impedir a boa ação de quem não pertencia ao grupo dos discípulos. Na perspectiva de Jesus, quem faz o bem em favor das pessoas, está do seu lado. O verdadeiro discípulo não tem inveja do bem que os outros possam fazer, nem demonstra ciúmes diante da ação de Deus através das diferentes pessoas. O sectarismo, a intolerância e ciúmes não condizem com a comunidade dos discípulos. Esse episódio narrado por Marcos faz recordar o que ocorreu nos tempos de Moisés, conforme o Livro dos Números (Nm 11,25-29), quando Josué não admitiu que aqueles fora do acampamento pudessem profetizar. Ao contrário da postura de Josué, Moisés reconheceu que o Espírito de Deus sopra onde quer e pode se manifestar através de quem ele quiser. Por isso, é preciso abertura para reconhecer e valorizar a presença de Deus onde quer que ele se manifeste e alegrar-se com o bem que os outros fazem.

Como são tratados os “pequeninos”? A segunda “palavra” de Jesus (Mc 9, 42) nos adverte a não escandalizar os “pequeninos”, termo que se refere aos membros da comunidade em situação de fragilidade, inclusive na fé. O “escândalo” significa a pedra ou obstáculo que se coloca no caminho, impedindo ou dificultando o seguimento de Cristo.              Por fim, a terceira “palavra” de Jesus (Mc 9,43-48) faz pensar sobre o que é preciso cortar da própria vida para segui-lo fielmente e alcançar a vida eterna. É preciso arrancar os sentimentos e atitudes que não são compatíveis com o Evangelho.

Na segunda leitura, continuamos a meditar a Carta de S. Tiago que faz uma dura condenação dos que acumulam riquezas, explorando os pobres, praticando a injustiça e vivendo luxuosamente (Tg 5,4-6). Ela mostra as consequências tristes para quem coloca a confiança nos bens materiais, que enferrujam e apodrecem.

Neste dia nacional da Bíblia, procuremos refletir sobre como vai a nossa escuta e vivência da Palavra. Como verdadeiros discípulos, renovemos o compromisso de ler, meditar e viver a Palavra de Deus, a cada dia.

Sérgio da Rocha,
Arcebispo de Brasília

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2024 julho

Semana 3

seg 1
ter 2
qua 3
qui 4
sex 5
sáb 6
dom 7
seg 8
ter 9
qua 10
qui 11
sex 12
sáb 13
dom 14
seg 15
ter 16
qua 17
qui 18
sex 19
sáb 20
dom 21
seg 22
ter 23
qua 24
qui 25
sex 26
sáb 27
dom 28
seg 29
ter 30
qua 31
qui 1
sex 2
sáb 3
dom 4
  • Sem Eventos

  • Sem Eventos

  • Sem Eventos

  • Sem Eventos

  • Sem Eventos

SITES INDICADOS
Open chat