catedral-logo

Natividade de São João Batista

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

A Igreja celebra, neste domingo, o nascimento de São João Batista, pela sua especial importância na história do Povo de Deus. Além do nascimento de Jesus e de Maria, o calendário litúrgico da Igreja celebra apenas o nascimento de São João Batista. Por isso, a Liturgia da Palavra, própria desta solenidade, nos apresenta o seu nascimento e a sua missão profética.

O profeta Isaías se refere à figura do “servo” do Senhor, comumente denominada, “servo de Javé”. Sua missão profética vem de Deus, sendo por ele chamado “desde o ventre materno” (Is 49,1), “preparado desde o nascimento para ser seu servo” (Is 49,5). A atuação do “Servo” vai além de Israel. Isaías destaca a universalidade de sua missão profética, enquanto “luz das nações”, a fim de que a “salvação chegue aos confins da terra”.  A profecia de Isaías a respeito do “Servo” se cumpre plenamente em Jesus Cristo, mas se aplica, ao menos em parte, a todo verdadeiro profeta. Por isso, esse trecho é escolhido para a natividade de S. João Batista.

S. Paulo se dirige aos judeus de Antioquia da Psídia, na sinagoga da cidade, num sábado, anunciando que Jesus Cristo é o Salvador (At 13,23). Para tanto, ele se refere a Davi e a João Batista, pondo em relevo a missão de preparar o povo para acolher Jesus, realizada por João. Paulo esclarece que João Batista não é o Messias esperado, ao contrário do que alguns acreditavam. Apesar da sua importância, João Batista não ocupa o lugar de Jesus; ao contrário, veio conduzir o povo a Jesus. Por isso, a celebração do seu nascimento, hoje, deve também nos levar a sermos discípulos de Cristo.

O Evangelho segundo Lucas relata o fato que motiva a solenidade litúrgica de hoje, o nascimento de João Batista, motivo de alegria e de admiração para os vizinhos. Sua mãe, Isabel, era estéril e, assim como o marido Zacarias, estava em idade avançada. O menino recebe de seus pais um nome que não era comum e, por isso, questionado pelas pessoas. Zacarias, o pai do menino, se põe “a louvar a Deus” (Lc 1,64). O povo admirado se perguntava: “o que virá a ser deste menino?” (Lc 1,66). E o texto proclamado se conclui com a afirmação de que “a mão do Senhor estava com ele”, como ocorreu com os grandes profetas.

Perante o nascimento de S. João Batista e o nascimento de cada criança, reconhecemos que a vida é dom de Deus a ser acolhido com alegria e responsabilidade e, por isso, rezamos, com o Salmo 138: “Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes!”. É preciso hoje, valorizar e defender a vida, desde a concepção até o seu fim natural. Bendito seja Deus pelo dom da vida!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat