catedral-logo

Nós serviremos ao Senhor!

A quem servir? A quem escolher como Deus e Senhor? A quem seguir? São perguntas que nos interpelam a partir da Liturgia da Palavra de hoje. A resposta a elas tem um sentido ainda maior em momentos de provação da fé, como aquele vivido pelos discípulos. Estamos concluindo a leitura do capítulo 6º do Evangelho segundo João, iniciado com a multiplicação dos pães, seguida do discurso sobre o Pão da Vida. Ele se conclui com a reação de “muitos dos discípulos” que acharam “dura” a palavra de Jesus, passaram a “murmurar” e a se escandalizar, “voltaram atrás e não andavam mais com ele” (Jo 6,66).  Jesus chega a perguntar aos doze apóstolos se eles também estavam querendo deixa-lo. Trata-se de um momento de crise que se torna ocasião de crescimento na fé para o verdadeiro discípulo, como demonstra Simão Pedro: “A quem iremos Senhor? Tu tens palavras de vida eterna!” (Jo 6,69). A opção por Cristo está marcada pela fé. Hoje, nós somos convidados a repetir a resposta de Pedro.

A escolha por Deus como Senhor deve ser sincera, pois ao contrário não seria uma opção acompanhada da fidelidade, misturando-se facilmente com a idolatria. O “sim” a Deus deve ser sincero para ser fiel e manifestar-se no modo de viver. Josué interroga o povo reunido em assembleia a respeito de quem estavam dispostos a servir: aos deuses cultuados na época ou ao Senhor? A resposta dele “quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor” (Js 24,15) é repetida pelo povo: “nós também serviremos ao Senhor porque ele é nosso Deus” (24,18). A resposta acontece em assembleia. A fé, a escolha por Deus, embora pessoal, ocorre em comunidade.  Na Igreja e com a Igreja, a nossa fé cresce e se fortalece. A dimensão eclesial da fé é fundamental para a sua vivência.

A opção por Deus e pela sua Palavra têm consequências para a vida, a começar da família. Quem escolhe servir ao Senhor, vive o matrimônio e a família segundo a sua Palavra. Por isso, a referência maior para o casal, o modelo de amor para o marido e a mulher, será sempre o amor de Cristo pela Igreja. Segundo Paulo, o casal unido em matrimônio é chamado a amar “como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5,25). Assim fazendo, cada casal estará repetindo e testemunhado a palavra de Josué: “eu e minha família serviremos ao Senhor”.

Neste domingo do mês Vocacional, nos recordamos, com gratidão, dos fiéis leigos atuantes nos diversos ministérios e serviços da comunidade. A vocação dos cristãos leigos deve ser valorizada e promovida em toda a Igreja, a começar de cada paróquia. Deus recompense a cada fiel leigo pela sua participação na Igreja e testemunho cristão no mundo!

Sergio da Rocha,
Arcebispo de Brasília

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat