catedral-logo

Solenidade da Assunção

Para celebrar bem a solenidade da Assunção de Nossa Senhora, é importante considerar atentamente a Palavra de Deus e o ensinamento da Igreja. Compreendemos esse dogma mariano à luz da ressurreição de Jesus, proclamada, hoje, na Primeira Carta de S. Paulo aos Coríntios. “Cristo Ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram” (1Cor 15,20), afirma o Apóstolo, mencionando, a seguir, aqueles que “pertencem a Cristo”, como Maria, destinados a participar da sua vitória sobre a morte. O Catecismo da Igreja Católica nos ensina que “a assunção da Virgem Maria é uma participação singular na ressurreição de seu Filho e uma antecipação da ressurreição dos outros cristãos” (n. 966). Por isso, a solenidade que celebramos decorre da nossa fé na ressurreição do Senhor e fortalece a nossa esperança de participar da vitória de Cristo sobre a morte. Além disso, a Assunção de Nossa Senhora está relacionada essencialmente à sua Imaculada Conceição, como afirmou o Papa Pio XII, em 1950, ao proclamar o dogma da Assunção: “A Imaculada Virgem Maria, preservada imune de toda mancha da culpa original, terminado o curso da vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória celeste”.

Ao celebrar esta solenidade, somos convidados a imitar Nossa Senhora, modelo de oração e de caridade, conforme o Evangelho anunciado (Lc 1,39-56). Na visita a Isabel, o “sim” de Maria, a “serva do Senhor”, se prolonga através da caridade testemunhada pelo seu serviço humilde e generoso. A “serva do Senhor” se faz servidora de Isabel. O Evangelho ressalta a disponibilidade e a generosidade de Maria em servir, ao mencionar que ela se dirigiu “apressadamente” à casa de Isabel e com ela permaneceu “três meses”.

Nos lábios de Isabel, encontramos parte da oração da Ave-Maria: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” (Lc 1,42). Dos lábios de Maria brota a belíssima oração de louvor conhecida como “Magnificat”, exaltando a misericórdia de Deus, que “se estende de geração em geração”, na sua vida e na vida de “todos os que o respeitam” (Lc 1, 50). Para participar da glória de Cristo é preciso percorrer o caminho da doação generosa e do serviço humilde aos irmãos, especialmente aos mais sofredores, sempre sustentados pelo amor misericordioso de Deus.

Neste domingo do Mês Vocacional, concluímos a Semana da Família, rezando por cada família, e nos recordamos, especialmente, da vocação à vida consagrada. Aos irmãos e irmãs na vida consagrada, a nossa profunda gratidão e as nossas preces, para que a exemplo de Maria Assunta ao céu, sejam servidores fiéis e testemunhas da alegria do Evangelho.

+ Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2022 janeiro

Semana 5

seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
seg 3
ter 4
qua 5
qui 6
sex 7
sáb 8
dom 9
seg 10
ter 11
qua 12
qui 13
sex 14
sáb 15
dom 16
seg 17
ter 18
qua 19
qui 20
sex 21
sáb 22
dom 23
seg 24
ter 25
qua 26
qui 27
sex 28
sáb 29
dom 30
seg 31
ter 1
qua 2
qui 3
sex 4
sáb 5
dom 6
SITES INDICADOS
Open chat