Solenidade de Todos os Santos – 01.11.2020

A PALAVRA DO PASTOR

+Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida

ALEGRAI-VOS E EXULTAI…

Inicialmente, a tradição bíblica reservou o título de “Santo” somente a Deus. Mas em toda a história de Israel, Javé gosta de ser chamado o Santo de Israel “Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador” (Is 43,3). A santidade de Deus suscita um santo temor. Contudo, o Seu desígnio de salvação ao eleger Israel comportou o sonho de comunicar a Sua santidade ao povo, o qual se torna um povo santo, diferente de todos os povos, porque caminha na Sua presença.

No Novo Testamento as promessas messiânicas se cumprem. Pelo mistério da redenção e a comunicação do Espírito Santo, os discípulos passam a ser chamados “santos”, tal era a convicção de que a graça comunicada no batismo é a semente de santidade a que todos os povos são chamados.

A primeira Leitura (Ap7,2-4.9-14) nos apresenta “a multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar”. O sinal na fronte e as vestes cândidas são uma clara alusão ao batismo pelo qual Deus imprime em nós a marca da Sua santidade, o selo de que pertencemos a Cristo. A santidade humana nada mais é do que a maturação da graça concedida no batismo. Os santos que a Igreja festeja hoje – não só os canonizados – são aqueles que procuram “com o auxilio de Deus, manter e aperfeiçoar, durante a vida, a santidade recebida no batismo” (Lumen gentium, 40). Para alcançar a glória, todos passam pela grande tribulação, passam pelo mistério redentor da Cruz, associando-se à Paixão Redentora de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Na segunda Leitura o Apóstolo do amor nos ajuda a compreender que a santidade comunicada pela graça de Deus se traduz em termos de filiação: Deus nos quis filhos Seus: “Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus!”. E completa radiante: “E nós o somos!” (I Jo 3,1). E vibra ainda mais ao falar da visão beatífica do rosto de Jesus: “seremos semelhantes a Ele porque o veremos como Ele é” (v.2). Trata-se da glória comunicada pelo fulgor infinito da Trindade Beatíssima.

No Evangelho de São Mateus, o próprio Jesus fala do céu que deve começar na terra: as Bem-Aventuranças. A santidade já não é vista como no Antigo Testamento como a separação, a absoluta alteridade… é a partir da vida comum, das circunstâncias concretas da vida presente, especialmente as árduas e dolorosas – como a perseguição por causa da fé –que vêm a ser remidas. O Papa Francisco assim nos exorta a partir da última Bem-Aventurança: “«Alegrai-vos e exultai » (Mt 5, 12), diz Jesus a quantos são perseguidos ou humilhados por causa d’Ele. O Senhor pede tudo e, em troca, oferece a vida verdadeira, a felicidade para a qual fomos criados. Quer-nos santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa” (Gaudete et exsultate, n.1). É muito estimulante e consolador comentário que a partir do n. 63 o Santo Padre faz das Bem-Aventuranças após falar dos obstáculos à santidade.

O louvor que a Igreja hoje eleva à santidade de Deus manifestada na vida dos Seus santos, refulge na Virgem Maria e nos impele a participar dessa grande aventura do amor de Deus por nós.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2021 dezembro

Semana 2

seg 29
ter 30
qua 1
qui 2
sex 3
sáb 4
dom 5
seg 6
ter 7
qua 8
qui 9
sex 10
sáb 11
dom 12
seg 13
ter 14
qua 15
qui 16
sex 17
sáb 18
dom 19
seg 20
ter 21
qua 22
qui 23
sex 24
sáb 25
dom 26
seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
SITES INDICADOS
Open chat