XIV Domingo do Tempo Comum – 05.07.2020

A PALAVRA DO PASTOR

+Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida

VINDE A MIM VÓS TODOS OS QUE ESTAIS CANSADOS

“Exulta de alegria, filha de Sião!” (Zac. 9, 9). Assim começa a liturgia da Palavra deste XIV Domingo do tempo Comum. Um convite à alegria que tem sua fonte na vinda do Rei ao nosso encontro. A profecia de Zacarias convida ao louvor de Deus porque Ele se apresenta humilde, “montado num jumentinho”, para reinar de um confim ao outro da terra, anunciando a paz. Nestes tempos difíceis, vivemos assustados com a fragilidade da nossa vida, com conflitos ideológicos e sociais que parecem tirar-nos a esperança da paz. No entanto, o profeta nos assegura que o Rei “anunciará a paz às nações”. A promessa de paz vem acompanhada pela destruição das armas. É a paz proveniente da redenção profunda do nosso ser, do senhorio do Espírito sobre a carne. A carne é a nossa soberba, obstáculo à relação filial com Deus, à relação fraterna com os irmãos; a soberba nos impede de ver na Criação os novos céus e a nova terra que com o auxílio da graça de Deus somos chamados a restaurar.

A Igreja vê na entrada de Jesus em Jerusalém o início do cumprimento da promessa de Deus anunciada por Zacarias. Deus não se engana nem nos engana: “o Senhor é fiel em sua palavra” (Sl 144, 13). Reunida na unidade da Trindade, a Igreja tem motivo para cantar: “Ó meu Deus, quero exaltar-Vos, ó meu Rei, e bendizer o vosso nome pelos séculos” (Sl 144, 1).

No Evangelho (Mt 11, 25-30), Jesus louva e bendiz o Pai por revelar Seus segredos mais íntimos aos pequeninos e os esconder aos sábios e entendidos. Jesus não despreza a sabedoria, dom do Espírito Santo. Condena, sim, a soberba que está na origem da rejeição dos seus desígnios de amor.

O Coração de Jesus é o lugar acolhedor em que as nossas aflições são reconfortadas: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. Ele nos convida a tomar sobre nós o seu jugo, a carregar o suave peso de Sua misericórdia. Carregando a suavidade do seu peso, encontramos descanso para os nossos corações e nos tornamos bem-aventurados porque pacíficos, artífices da paz. Ouçamos agora o convite do Senhor: “Vinde a mim vós todos que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei” (v. 27).

E se nos abater a humilhação por nossa fragilidade ou pela injustiça sofrida; se nos oprimir o peso da enfermidade ou a perda da esperança pelo luto sem despedidas, volvamos o olhar para Jesus e rezemos confiantes a oração da Igreja: “Ó Deus, que pela humilhação do vosso Filho reerguestes o mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria, e dai aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas” (Oração Coleta).

A Filha de Sião, a Virgem Mãe Aparecida, é causa da nossa alegria. Ela nos conforta ao pé da Cruz e o seu divino Filho no-la confia como Mãe da Esperança e Rainha da Paz.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2021 dezembro

Semana 2

seg 29
ter 30
qua 1
qui 2
sex 3
sáb 4
dom 5
seg 6
ter 7
qua 8
qui 9
sex 10
sáb 11
dom 12
seg 13
ter 14
qua 15
qui 16
sex 17
sáb 18
dom 19
seg 20
ter 21
qua 22
qui 23
sex 24
sáb 25
dom 26
seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
SITES INDICADOS
Open chat