XXVI Domingo do Tempo Comum – 27.09.2020

A PALAVRA DO PASTOR

+Dom José Aparecido Gonçalves de Almeida

CRISTO POR NÓS SE FEZ OBEDIENTE

Hoje a Igreja no Brasil celebra o Dia Nacional da Bíblia. Esta efeméride é colocada sempre no último domingo de setembro, o mais próximo da memória de São Jerônimo (dia 30). Na Liturgia, a Palavra se realiza sacramentalmente. Por isso a pregação homilética deve culminar na mistagogia, que aponta para a graça anunciada que se realiza na celebração e desponta para a vida concreta. A Palavra requer, portanto, a docilidade e a acolhida que se chama propriamente obediência.

Ezequiel (18,25-28) põe a nu alguns efeitos do pecado. A criatura arvora-se em juiz do Criador, daquele que há de vir para julgar os vivos e os mortos: “A conduta do Senhor não é correta”. Esta expressão encontra muitas traduções atuais, como por exemplo: “Se Deus existe, por que esta pandemia?” ou “Se Deus é bom, como se explica o sofrimento dos inocentes?”, e assim tantas outras. Mas Deus responde prontamente: “É a minha conduta que não é correta, ou antes é a vossa conduta que não é correta?” . Então revela que o mistério da morte se compreende no contexto do mistério da iniquidade, ao passo que o mistério da vida encontra sua plena luz no mistério da piedade, da misericórdia. O Deus justo e fiel tem compaixão de quem se arrepende e retoma o caminho da justiça e do direito. É a isto que se chama obediência.

Jesus diz que o Seu alimento é fazer a vontade do Pai. O Concílio Vaticano II salienta que Ele, “para cumprir a vontade do Pai, inaugurou na terra o Reino dos Céus, revelou-nos o seu mistério e realizou a redenção pela obediência” (Lumen gentium n. 3). São Paulo, retomando um belíssimo hino da liturgia primitiva, exorta os filipenses a imitar a obediência de Cristo: “Tende em vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus (…) que humilhou-se a Si mesmo fazendo-se obediente até à morte, e morte de cruz” (Flp 2,5-8). A Sua humilhação na obediência Lhe valeu a exaltação da parte do Pai e a adoração por parte dos seus seguidores. Esta obediência redentora não é em Jesus mera passividade. A Sua obediência – como deve ser a nossa – é ativa. Ele assume como próprios os desígnios do Pai e os meios (a cruz e a entrega até ao fim) para alcançar a salvação do gênero humano (F. Carvajal).

O tema da obediência volta de modo bem prático no Evangelho (Mt. 21,28-32). Dirigindo-se aos circunstantes, Jesus apresenta as atitudes de dois filhos ante o pedido do pai vinhateiro de que eles fossem trabalhar na vinha. Um responde que irá, mas acaba por não ir. O outro diz que não pretende ir, mas revê sua negativa e vai. E Jesus pergunta: “Qual dos dois fez a vontade do Pai?”. Esta pergunta se dirige aos interlocutores de ontem e de hoje. A resposta dada mostra o mistério da misericórdia: salva-se quem se revê, e pratica a vontade de Deus, conhecida pela sua Palavra viva.

A Virgem que sabe ouvir, nos ajude a responder: “Faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
ATUALIDADES
AGENDA

2021 dezembro

Semana 2

seg 29
ter 30
qua 1
qui 2
sex 3
sáb 4
dom 5
seg 6
ter 7
qua 8
qui 9
sex 10
sáb 11
dom 12
seg 13
ter 14
qua 15
qui 16
sex 17
sáb 18
dom 19
seg 20
ter 21
qua 22
qui 23
sex 24
sáb 25
dom 26
seg 27
ter 28
qua 29
qui 30
sex 31
sáb 1
dom 2
SITES INDICADOS
Open chat