Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Papa no Twitter: abolir as armas nucleares que são “instrumentos de morte”

O Papa tuitou nesta terça-feira (26) uma mensagem que diz: “Comprometamo-nos por um mundo sem armas nucleares, aplicando o Tratado de não-proliferação para abolir estes instrumentos de morte”. A exortação de Francisco recai sobre as recentes ameaças oriundas das crises da Coreia do Norte e do Irã, e também com o Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares.

O professor italiano de Estudos Estratégicos da Universidade de Trieste, Arduino Paniccia, confirmou que a ameaça nuclear é o maior risco que a comunidade internacional está correndo. As trocas de ameaças entre os dois países, alimentadas pelos presidentes Donald Trump e Kim Jong-um, têm deixado o mundo em alerta.

Na semana passada, na Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente dos EUA declarou que o país estaria pronto para destruir a Coreia do Norte se fosse necessário. Na segunda-feira (25), o presidente Kim Jong-um respondeu, ameaçando derrubar aviões de tropas americanas, independente do local.

Além da Santa Sé, o combate às armas nucleares é tema prioritário da agenda global da ONU, desde 1946. O Tratado pela Proibição dos “instrumentos de morte”, salientado pelo Papa em mensagem pelo Twitter, foi firmado em 7 de julho e o Brasil se tornou signatário na quarta-feira passada, em 20 de setembro, junto a mais de 120 países. Mesmo assim, segundo a própria organização internacional, ainda restam cerca de 15 mil armas nucleares no mundo.

Por Rádio Vaticano

2017-09-26T14:19:17-03:0026/09/2017|
Abrir chat
Powered by