Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Papa reforça condenação à guerra em nome da religião

O Papa Francisco reforça a sua condenação à guerra em nome da religião numa nova entrevista, divulgada nesta sexta-feira, 28, por duas revistas ligadas aos Jesuítas, ‘La Civiltà Cattolica’ (Itália) e ‘Singum’ (Suécia).

“Não se pode fazer a guerra em nome da religião, de Deus: é uma blasfêmia, é satânico”, declara, evocando o recente encontro pela paz realizado em Assis, em 20 de setembro, com responsáveis de várias Igrejas e comunidades religiosas.

Francisco sustenta que são as “idolatrias” e não as religiões que provocam as guerras, apontando o dedo à “idolatria do dinheiro, das inimizades”. “Há uma idolatria da conquista do espaço, do domínio, que ataca as religiões como um vírus maligno. E a idolatria é uma falsa religião, é uma religião errada”, precisa.

O Papa afirma que as religiões têm a capacidade de levar o ser humano a transcender-se para “o absoluto”. “O fenômeno religioso é transcendente e tem a ver com a verdade, a beleza, a bondade e a unidade. Sem esta abertura, se não há transcendência, não há verdadeira religião”, prossegue.

Para o Pontífice, a abertura à transcendência não pode de forma alguma ser causa do terrorismo.

A entrevista aborda depois a situação dos cristãos no Médio Oriente, que o Papa apresenta como “terra de mártires”. “Podemos, sem dúvida, falar de uma Síria mártir e martirizada”, exemplifica.

Francisco recordou, neste contexto, o que aconteceu na ilha de Lesbos, quando se encontrou com um muçulmano e suas duas filhas, cuja mulher, cristã, tinha sido assassinada por terroristas diante da família, por não tirar uma cruz.

“Sim, ela é uma mártir. O cristão sabe que há esperança, o sangue dos mártires é semente de cristãos, sabemo-lo desde sempre”, referiu.

O Papa lamenta a “falta de frescor” em algumas comunidades católicas, o que leva a um “envelhecimento” da Igreja. Francisco lançou, então, o desafio de sonhar e profetizar.

A entrevista foi concedida no contexto da viagem que Francisco vai realizar à Suécia, entre 31 de outubro e 1 de novembro, para encontrar-se com as comunidades luterana e católica.

Por Canção Nova, com Agência Ecclesia

2016-10-28T14:51:13-03:0028/10/2016|
Abrir chat
Powered by