Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Primaz do Brasil exalta 300 anos da Mãe Aparecida durante evento na Bahia

A Jornada Teológica dos Serviços Arquidiocesanos em Salvador, organizada pela Coordenação Arquidiocesana de Pastoral, contou este ano com reflexões inspiradas no tema ” Com Maria, a mãe de Jesus”.

O evento que reuniu diversas pastorais, movimentos, comunidades, entre outros organismos, teve lugar no auditório Dom Geraldo Majella, na Cúria Metropolitana de Salvador.

Na ocasião, a Jornada tratou de duas palestras, sendo a primeira sobre o tema central proferida pelo Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger.

O arcebispo ressaltou que o Ano Mariano é o momento para celebrar, fazer memória e agradecer em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida.

A partir da história da aparição da Padroeira do Brasil, Dom Murilo evidenciou Maria Santíssima como “a Mãe do Povo”, uma vez que a população olha para Jesus Cristo e tem a consciência de que ao seu lado, desde o nascimento até o calvário, Nossa Senhora está presente.

Dom Murilo lembrou ainda que “quem encontrou a Imagem de Aparecida foram pescadores, trabalhadores, homens de coração simples. Esta Imagem enegrecida parece lembrar a cor de grande parte do nosso povo”.

Por fim, concluiu seu discurso abordando o compromisso das lideranças de cultivar a espiritualidade mariana.

Já a segunda palestra foi ministrada pelo coordenador de Pastoral, Padre Ricardo Henrique, que destacou a religiosidade popular e a devoção mariana como oportunidades de evangelização.

“Como lideranças, precisamos preservar as devoções marianas, sobretudo na família, pois estas devoções quando bem acompanhadas, penetram profundamente na alma do povo, levando-o a um engajamento na comunidade”, afirmou o sacerdote ao longo do evento, que foi encerrado com o momento da consagração a Nossa Senhora. (LMI)

Por Gaudium Press, com Arquidiocese de Salvador

2017-08-09T11:38:23-03:0009/08/2017|
Abrir chat
Powered by