Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Racismo: “As palavras não bastam, precisamos agir”

racism-5267730-640

“É claro que nós, nos Estados Unidos, temos uma trave nos olhos quando se trata de racismo. Esta é uma realidade difícil, mas é preciso enfrentá-la. Não podemos resolver um problema enquanto não o reconhecermos. Isto inclui também nós como membros da Igreja Católica”. Estas são as palavras do cardeal Daniel DiNardo, arcebispo de Galveston-Houston (Texas) em uma mensagem em vídeo apresentada no dia do funeral de George Floyd.

Chega de silêncio

“No passado, os líderes da Igreja muitas vezes se abstiveram de falar quando vieram à tona atos de violência racial ou outras injustiças. Agora não mais”. “Nem sempre a Igreja conseguiu viver como Cristo nos ensinou, ou seja, amar nossos irmãos e irmãs”, continua Dom DiNardo, citando a carta pastoral contra o racismo “Abramos nossos corações” da Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB).

“Líderes e membros da Igreja Católica – bispos, clérigos, religiosos e leigos – e suas instituições cometeram atos de racismo. Consequentemente”, continua ele, “todos nós devemos assumir a responsabilidade de corrigir as injustiças do racismo e curar os danos que ele tem causado”.

Por esta razão, recorda que desde 2018, a USCCB realiza sessões de escuta e fornece material sobre racismo às dioceses e paróquias para que possam enfrentar este grave problema. Sua própria arquidiocese, conta Dom DiNardo, está comprometida e trabalhando em objetivos e metas, que incluem essencialmente a superação do racismo.

Devemos agir, palavras não bastam

Os que se exaltam serão humilhados e os que se consideram superiores aos outros substituem o seu próprio julgamento pelo do Senhor, escreve o cardeal. Este é um pecado contra Deus e contra a humanidade e deve terminar. “Mas”, continua, “as palavras não são suficientes, devemos agir e todos temos a responsabilidade de corrigir as injustiças e os danos que o racismo tem causado, sem usar a violência, como aconteceu nos últimos dias com uma minoria, que ao fazê-lo desviou o foco da urgência das reformas”.

“Não consigo respirar” foram as palavras de George Floyd antes de morrer, e Eric Garner antes dele. “Só podemos respirar corretamente de novo – concluiu o Arcebispo de Galveston-Houston – com a ajuda do Espírito Santo, somente quando o nosso trabalho constante for o de eliminar o pecado do racismo da nossa sociedade”.

Via Vatican News

2020-06-10T11:37:01-03:0010/06/2020|
Abrir chat
Powered by