Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Uma disciplina diária para se livrar dos pensamentos negativos

elijah-hiett-w-W0-BUXTTUm-U-unsplash-1

No longo do dia, nossa imaginação é bombardeada por pequenos pensamentos negativos sobre o passado ou o futuro, sobre como as coisas devem acontecer. Eles podem começar a nos sobrecarregar desde que acordamos.

Abrimos um olho e o pequeno desfile de preocupações entra: inquietação em relação a um filho, lembrança de uma frase desagradável que a chefa disse ontem, dúvidas sobre o amor de nosso cônjuge ou sobre nossa capacidade de realizar um determinado procedimento…

Começamos nosso dia com pensamentos do estilo de: “Eu nunca ousarei”, “Não conseguirei isso”, “Tenho a má impressão de que …”. Estas idéias geralmente têm origem no medo e nos levam a pegar as armas para uma luta que não é boa, contra a sociedade, o vizinho, os colegas, a família, a Igreja …

São pensamentos que talvez se apoiam num fundo de realidade ou talvez eles sejam inteiramente o resultado de nossa imaginação. No entanto, se prestamos atenção neles, eles se tornam parte de nós e podem nos tornar muito infelizes. Aqui estão algumas dicas para combater esses pensamentos que nos impedem de encarar a vida com serenidade.

As consequências dos pensamentos pessimistas na vida quotidiana

Os pensamentos negativos estão presentes em nosso espírito. São o borbulhar habitual do nosso caráter ferido e orgulhoso que São Paulo chama de “a carne”, isto é, tudo em nós que rejeita à Deus (Rm 8,5-8).

Mas o Maligno usa eles para entrar em nós, para amplificá-los e torná-los obsessivos. Embora nossa vocação seja o amor, o eixo do combate espiritual será colocado em nossos relacionamentos com o próximo, com Deus e conosco mesmo, para nos desviarmos desse objetivo.

A porta principal de entrada do diabo está em nossos pensamentos e em nossa imaginação, primeiro lugar do combate. Sua conversão, sua purificação, são o começo de nosso caminho de santidade. No passado, na linguagem da vida espiritual, essa luta era chamada “a guarda dos pensamentos”. Hoje, não se fala mais disso, e ainda assim o combate continua sendo o mesmo.

Esses pensamentos afetam nosso humor e influenciam no nosso comportamento. Eles também determinam nossa vida futura, quando nos pressionam a tomar decisões importantes. Se não somos felizes, devemos examinar as impressões que mantemos.

Nosso desconforto pode vir de ideias negativas nas quais pensamos há anos na cabeça: “Meus irmãos e minhas irmãs sempre tiveram mais amigos do que eu, não sei o que fazer, não sou interessante, por isso fico quieto”.

Assim, construímos uma fortaleza ao nosso redor para fugir de nossos pensamentos sombrios: “As pessoas são decepcionantes de qualquer maneira”. E quando alguém se aproxima de nós, somos agressivos para não nos decepcionar. Assim, essa fortaleza que devia nos libertar de nossos pensamentos negativos se torna numa prisão real na qual não somos livres para amar.

Esses pensamentos, portanto, afetam nossos relacionamentos com os outros. O Maligno sempre tentará nos fazer acreditar que há algum desconforto com alguém ao nosso redor. “Tive um desacordo durante uma reunião com meu chefe, tenho uma tristeza muito grande dele porque imagino que ele esteja chateado comigo, o que me impede de pensar no que fiz.” E de vez em quando, com meus colegas, vou dizer coisas ruins sobre ele.” “A boca fala da abundância do coração”, disse São Mateus (12,34).

Rapidamente, divulgamos nossos julgamentos sobre uma pessoa e imediatamente é muito difícil sentir-nos à vontade com ela. Algumas pessoas têm tantos pensamentos ruins sobre os outros que o relacionamento se torna impossível.

Diferenciar os pensamentos imaginários dos medos legítimos

É necessário decidir, a princípio, não admitir tudo o que possa vir pela mente ou levá-lo a sério. Assim que surge um pensamento, cabe a nós confrontá-lo com a Palavra de Deus. Santo Inácio nos ensina a diferenciação. De acordo com o que ele disse, o Espírito Santo fala palavras de paz e amor para nós. Pelo contrário, Satanás sussurra-nos palavras de dúvida e de medo. A maneira como o pensamento ressoa em nós nos permite julgá-lo: isso nos causa paz ou angústia?

Podemos passar algum tempo, por exemplo, antes de levantarmos ou durante nossa oração, para realizar uma classificação de nossos pensamentos, entre aqueles que são baseados numa realidade e aqueles que são apenas frutos de nossa imaginação. Para isso, é conveniente saber prestar atenção aos outros, especialmente aqueles que têm a graça de lançar luz sobre nossos medos ou nossas fugas.

No entanto, alguns medos podem ser legítimos: um adolescente com fracasso escolar, uma mulher deprimida, uma criança com deficiência … É normal que isso nos afete e que leve tempo para recuperar-se. É a perspectiva com a qual vemos nossos sofrimentos, ela é a que muda tudo. Se passamos o dia meditando sobre nosso sofrimento, nos fechamos nos nossos pensamentos e não permitimos que Deus entre e esteja em nós.

Quando nossa vida não for mais significativa e essa espiral de pensamentos desencorajadores começar a nos sugar, vamos nos apegar à Palavra de Deus e repeti-la com confiança. Vamos recuperar essa força o mais rápido. Muitas vezes lemos a Palavra de Deus como um texto. Esquecemos que é uma arma poderosa e eficaz. “Pegue o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus” (Ef 6,17). Deus só tem uma palavra, a de Jesus, o Verbo Encarnado, e Jesus age.

Dominar a sensibilidade não é o mesmo que sufocá-la

Mas tenha cuidado, Deus não nos pede para parar de sentir emoções, raiva, impaciência, tristeza … Ele nos pede para administrá-las para que elas tomem seu devido lugar. Mesmo que tenhamos medo, devemos agir consequentemente, como Jonas em Nínive (Jon 1,1). Assim, nos libertamos de suas correntes. Se conseguimos permanecer calmos na adversidade, começamos a adquirir maturidade espiritual. Tiramos nossa força da alegria de Deus, Nosso Senhor, como diz Neemias (Ne 8,10), e não das circunstâncias.

Portanto, lutar contra os pensamentos negativos é uma questão fundamental se queremos crescer. Deus continua a contar conosco, mesmo em nossas dificuldades. Foi Deus quem disse a Josué: “Não fui eu quem ordenou que você fosse forte e corajoso? Não tema nem se deixe intimidar, porque o Nosso Senhor, teu Deus, estará com você aonde quer que você for ”(Jos 1,9).

Devemos tomar a decisão de viver mais profundamente, além do nível de nossas emoções, no nível de nosso coração profundo. Todos somos chamados à unificação interior que nos torna mais disponíveis aos acontecimentos da vida. Deus pode finalmente revelar em nós o que Ele quer.

Impõe-se uma disciplina diária para não pensar em pensamentos negativos

Para não pensar em pensamentos negativos, precisamos de um pouco de tempo e energia para começar. É um autêntico ascetismo de todos os dias vencer a batalha. Preparamo-nos para isso, oferecendo o dia para evitar ser pego por situações negativas.

Quando encontramos um pensamento pessimista, imediatamente decidimos não permanecer nele. Nós respondemos aos planos do diabo se aceitamos essas idéias parasitas e depois as mantemos. Uma boa maneira de combatê-las é louvar ao Nosso Senhor. Ficar em ação de graças tentando abençoar as pessoas com quem o relacionamento é complicado.

Também podemos fazer uma “oração rápida”, como “Jesus, eu confio em você” ou “Maria, me ajude”, com um chamado à ajuda de Deus, ou então dizer um versículo da Bíblia. Quanto mais meditamos no que é bom e verdadeiro no coração e na situação das pessoas, menos pensamentos negativos teremos. No começo, é difícil, mas o domínio de nossa imaginação vai melhorando pouco a pouco.

Para fazer isso, precisamos nutrir-nos mais da Palavra de Deus e aprendê-la. Pode nos dar uma orientação verdadeira quando nossas emoções tão flutuantes nos tornam frágeis. A melhor maneira de interromper um esquema de pensamento é proclamar a Palavra de Deus em voz alta e deixar a imaginação através dessa palavra verdadeira que nós ouvimos dizer.

De tanto utilizar e ver a Bíblia e disciplinar a imaginação, acabamos pensando positivamente. Como diz São Paulo: “Não tome este mundo como modelo. Pelo contrário, transformem-se por dentro, renovando sua mentalidade, para que possam discernir qual é a vontade de Deus: o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito ”(Rm 12: 2).

Quando apareçam maus pensamentos, leia o Salmo 139

Se não reagirmos contra maus pensamentos, estaremos sujeitos ao nosso humor e correremos o risco de poluir todo o ambiente. Somos chamados à estabilidade afetiva, a ser como Jesus Cristo, pedras que o mau tempo não treme. Quaisquer que sejam os sofrimentos, Deus tem um projeto magnífico para nossa vida.

Enquanto formos escravos de nossos estados mentais, não poderemos entrar na maturidade espiritual à qual Deus nos chama: “Porque eu conheço muito bem os planos que projetei sobre você – oráculo do Nosso Senhor – são planos de prosperidade e não de desgraça para assegurar-lhes um futuro e uma esperança ”(Jr 29, 11).

Se aparecem alguns pensamentos e provocam as mesmas emoções negativas, devemos pedir ao Nosso Senhor, em oração, a razão pela qual o nosso humor é mais forte, nossa raiva, rancor, inveja … Na oração, apresentamos esses eventos ao Espírito Santo para que, em sua luz, entendamos a sua origem.

Às vezes, Deus nos permitirá reviver uma situação para que possamos entender que precisamos mudar a nós mesmos. Assim, os hebreus levaram quarenta anos fazendo uma viagem que dura onze dias, até perceberem que precisavam mudar de atitude.

O Nosso Senhor nos conhece, sabe o que precisamos para crescer: “Sua mão também me levaria até lá e sua direita me seguraria. Se eu dissesse: ‘Que deixe a escuridão me cobrir e a luz seja como a noite ao meu redor! ‘, a escuridão não seria escura para você e a noite será clara como o dia. Você criou meu interior, me moldou no ventre de minha mãe.” Devemos reler esse Salmo 139, Deus nos ama com muita paixão para retirar a sua mão de nossas vidas!

Por Florence Brière-Loth, via Aleteia

2020-04-01T09:47:11-03:0001/04/2020|
Abrir chat
Powered by