Horário de Funcionamento e Visita
Segunda-feira: das 08h às 17h
Terça e Sexta-feira: das 10:30h às 17h (limpeza da Nave Central das 08h às 10:30h)
Quarta, Quinta Sábado e Domingo: das 08h às 17h
Hours of Operation and Visit
Monday: 8am at 5pm
Tuesday and Friday: 10:30 - 17: 00 (cleaning of the Central Ship from 08:30 - 10:30)
Wednesday, Thursday Saturday and Sunday: from 08h to 17h
Horários de Funcionamento na Pandemia
Segundas: fechada
De terça a sexta: das 08h às 12h15 (inicio da missa) depois fecha.
Sábados: das 08h às 17h (inicio da missa)
Domingos: das 09 às 12h e das 16h às 18h (inicio da missa)

Venezuela: Bispo pede a militares e policiais que em nome de Deus não disparem contra povo

O Bispo de San Cristóbal (Venezuela), Dom Mario Moronta, pediu a “todos os militares e policiais que em nome de Deus não levantem a voz, nem ataquem com armas aqueles que estão tentando fazer o bem para toda a Venezuela”.

Em uma mensagem divulgada em 23 de fevereiro, depois que as tropas e paramilitares ligados ao governo de Nicolás Maduro atacaram aqueles que transportavam ajuda humanitária através das fronteiras da Colômbia, Brasil e Curaçao, Dom Moronta lamentou “o número de feridos e mortos por causa da repressão e violência, o sangue dos irmãos clama por justiça diante de Deus”.

Em meio às tentativas para que a ajuda humanitária cruze a fronteira com a Venezuela no dia 23 de fevereiro, as forças armadas, a polícia e as forças paramilitares ligadas ao regime de Maduro causaram pelo menos quatro mortes, dezenas de feridos e queimaram caminhões carregados com alimentos e remédios.

A ajuda humanitária foi coordenada entre vários países com o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, designado pela Assembleia Nacional em 23 de janeiro.

“Aqueles que deveriam estar cuidando de tudo o que é o bem-estar do povo incendiaram as cargas que são um símbolo da ajuda humanitária de outros países e dos esforços de muitos homens e mulheres também da Venezuela. Isso não é somente um pecado de imoralidade, é um ato de desumanidade pelo qual terão que responder diante de Deus”, disse o Prelado venezuelano.

“A todos os que têm autoridade militar ou policial, não disparem contra o povo, não levantem a voz contra o povo, não esqueçam que vocês também são povo e, se isso significa muito para vocês, pensem também em suas famílias, vizinhos e amigos que também estão sofrendo, não deixem de sentir-se povo. Respeitem, protejam e dignifiquem o povo da Venezuela”, incentivou.

Via ACI Digital

2019-02-26T09:44:29-03:0026/02/2019|
Abrir chat
Powered by